sábado, 23 de março de 2019

Maravilhas

Sete anos de pastor Jacob servia
Labão, pai de Raquel, serrana bela;
Mas não servia ao pai, servia a ela,
E a ela só por prémio pretendia.


Os dias, na esperança de um só dia,
Passava, contentando-se com vê-la;
Porém o pai, usando de cautela,
Em lugar de Raquel lhe dava Lia.



Vendo o triste pastor que com enganos
Lhe fora assi negada a sua pastora,
Como se a não tivera merecida;



Começa de servir outros sete anos,
Dizendo: – Mais servira, se não fora
Para tão longo amor tão curta a vida!

sábado, 16 de março de 2019

Levante-se o véu!

É o que faz o último número da VISÂO, a propósito dos disparates sentenciosos do meretíssimo Neto de Moura.
Quando se pensava que os despautérios da justiça cabiam todos debaixo da toga dessa eminência, vem a saber-se que o preconceito machista e a misoginia campeiam nos tribunais.
É difícil meter isto na tola! Mas o melhor que as mulheres têm a fazer é passar os olhos pelo magazine e tomar fôlego. Bem precisam, elas e nós!

terça-feira, 5 de março de 2019

Onde mulher não houver, nem uma cabra se quer!

É assim, ao que parece, sucedeu ao meu vizinho. Dantes tinha três cabras, que a mulher levava até ao prado. Fartava-as de comida, depois trazia-as para casa e ordenhava-as.
De vez em quando fazia um queijito saboroso. Para não falar agora do cabritito da Páscoa, um regalo.
Um dia a mulher morreu. O vizinho continuou a tocar às Trindades, mas para as cabras é que não teve mão. Vendeu-as. E agora só se ouve quando se zanga com os dois cãezitos que ladram no quinteiro.

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

Dois


Limpos, autónomos, sábios... que melhor?

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

Segue-me a cappella!

(Robert Doisneau)

sexta-feira, 25 de janeiro de 2019

Estilhaços

Foi então, a meio duma tarde, que chegou um alferes do batalhão da Cuimba, com o pelotão de morteiros. Tinha um vago tique aristocrata, amamentava exóticas ideias monárquicas, e frequentava o quarto ano de medicina quando o despacharam para os sertões do Congo.
Estacionou os dois burros do mato em frente do que restava da sé catedral resumida a umas paredes, mal saudou os aviadores que despejavam bidões de gasolina nuns aviões cobertos de poeira e dirigiu-se a casa.
A mulher era legista, praticava de notária, servia de magistrada. Morava numa casa da avenida e estava ausente em Luanda, na companhia dum alferes médico.
O artilheiro reuniu o pelotão, montou nos burros do mato e regressou à Cuimba. Mandou formar no meio do terreiro, meteu uma bala na câmara da Walther que lhe pendia à ilharga, e descarregou nos miolos os nove milímetros dela.
Uma semana depois a história já estava morta. Ninguém gosta de viver com estilhaços que matam.

terça-feira, 22 de janeiro de 2019

Espelhos

(...) O exército é o espelho da nação, e isto era o que se lia nos panfletos colados a esmo nas ruas da cidade, virava-se uma esquina e logo tropeçavam os olhos naqueles rectângulos de cor envergonhada e baça, não tão baixos que pudesse mão herética meter-lhes a unha e silenciá-los, nem tão altos que risco houvesse de perder-se na atmosfera da tarde a jaculatória patriótica, o exército português é tão bom como os melhores. Muito melhor que os melhores, diremos nós para que a verdade se saiba, e para o provar vamos nós ali à foz do Massanza, um destacamento avançado onde um pelotão de atiradores vai defendendo a soberania, do outro lado do rio alastra na paisagem, entre arames farpados, uma sanzala de realojados, que estendem ao sol as misérias da lepra. Um dia os rústicos soldados saíram dos abrigos e deram-se a construir uma pista de aterragem, tinham-lhes prometido uma avioneta que passaria ali um vez por quinzena, não há nada melhor para romper o isolamento, para resistir à loucura ou receber o correio que houver, sempre se tem a ilusão duma ligação ao mundo. À custa de tempo e de suor aplainaram à mão esta faixa com dez metros de largo, esquartejaram umas dúzias de mangueiras bravas que arrastaram para a as bermas, a pista começava logo à beira do rio e alongava-se até trpeçar ao fundo na colina, o resto do milagre haviam de fazê-lo os aviadores. E um deles o terá feito, uma vez sem exemplo, aterrou um dia a passarola mas só saiu daqui deixando atrás a carga toda e metade da gasolina, que a pista foi celebrada com cerveja mas não ia além de sessenta metros mal medidos, tudo quanto podemos fazer é passar em voo rasante e largar os sacos de biscoitos e massa, é largar as latas da marmelada e do atum, é largar os sacos do chouriço e da carne, se a houver. E foi a partir daí que toda a canzoada da sanzala passou a regular a vida por um estranho calendário, mal se ouve ao longe o roncar dum avião e logo os bichos se põem a atravessar o rio, espadanando na água as patas frenéticas. Cada um escolhe o seu terreno ao longo da pista, e é vê-los a disputar aos irados soldados os restos dalgum saco rebentado, Lá vai este a fugir para o mato com um par de chouriços nos dentes, aquele abocanhou um pão, a princípio ainda se ouviam tiros e rajadas a afugentar os bichos, agora já nem isso, toda agente afinal concluiu que a vida cista a todos, que todos ficam parecidos no retrato, o exército português é melhor do que os melhores."
(in As Aves Levantam Contra o Vento, ed. Quasi, Famalicão, 2007)