quarta-feira, 18 de maio de 2022

Rumor de setins

Quem teve sorte foi a avó Basília, que chegou antes de todos, na cadeira de rodas. Dois netos patinaram rampa acima, fincando os pés nas gretas da calçada, até depositarem ao cimo da ladeira esta rainha. Tamanha canseira nem a dos palafreneiros d'el-rei dom João V, quando o magnânimo vinha aqui subir a encosta e abrir o peito ao espavento dos torreões da sua Mafra, que haveriam de torná-lo imortal. Fosse como fosse, a verdade é que a velhota, os pêlos do mento escanhoados a preceito e o restante do carão aplainado por cremes e pós-de-arroz muito oportunos, logo tomou lugar à frente, na coxia central da grande nave da basílica, não queria perder pitada da função.

O pior foi que muitos convivas rebanhavam ainda na larga escadaria quando a noiva chegou, e já não puderam entrar. Porque ela apoiou o cansaço das olheiras no cotovelo solene do padrinho, deixou que a frescura do templo lhe cerrasse as pálpebras azuis, ajustou o passinho miúdo aos acordes imponentes das tubagens do órgão e deixou-se levar. Dir-se-ia que levitava, hirta, nave acima, de bouquet na mãozinha fria, enquanto flutuava por cima das leis da física, o corpo de libélula a dissolver-se na abundância de folhos, entre sedas e organdis. E atrás dela, na mesma lentidão sisuda de majestade reinante, lambendo o chão num rumor de setins, logo começou a entrar na igreja a cauda do vestido.

Quando a noiva chegou ao altar e se apoiou, exausta, no genuflexório, ainda o vasto caudal se alongava pelo largo fronteiro, vindo lá do fundo da avenida que chega da Ericeira. Andavam os pobres caudatários numa fona, afugentando cães, espantando choferes irritados, os veludos do fato em desalinho. O manto continuava a desaguar na basílica, enchendo o pórtico de umbral a umbral, em volutas de tafetás e tules.

Radioso a princípio, o semblante do padre foi-se fechando à medida que o empo se escoava, sem aparecer o fim da cauda nupcial. Ele conhecia como ninguém os caprichos do mundo e das suas criaturas. Mas não pôde evitar a sombra duma inquietação, à medida que foi vendo a metade fundeira da igreja afogar-se em castelos de cambraias, os convivas, em temor, a rodearem o altar.

E foi quando o pânico ameaçava já tomar conta da assembleia que a fímbria derradeira do manto entrou na basílica. Perante o arrebato de quantos protestavam lá fora, tão insolitamente impedidos de assistir à função, o padre ministrou rapidamente o sacramento, era o que podia fazer. E logo desapareceu na sacristia, desparamentou-se e saiu pelas traseiras.

Abandonado a si mesmo naquela clausura, de que ninguém lobrigava forma de sair, esteve o concílio a pontos de perder a cabeça. Houve quem tivesse a ideia de deitar fogo a tudo, alguém sugeriu que era melhor saltarem todos pela janela, abandonando os tules inúteis.

Acabou afinal por vir a desvendar-se que tudo não passava duma tramóia, engendrada por uma estação de televisão em desespero de audiências. E foi então que a avó Basília, incomodada por tamanho desperdício, chamou de parte a neta e lhe disse ao ouvido que sempre encontrará na vida o que precisa quem guarda o que não presta.

Tal foi o que lhe disse, como foi o que se fez. Recordado das antigas campanhas na Guiné, o padrinho chamou em apoio um pelotão de infantaria, que saía em manobras do quartel vizinho. Ajudaram todos a enfardar cambraias e setins, veio mais tarde a noiva recolhê-los, depois da lua-de mel.

Tinha razão a avó Basília, tamanho jeito lhe vieram a dar para tapar as misérias, durante um ror de anos.

sexta-feira, 13 de maio de 2022

Maias


Floresce a giesta negral.
Mas as abelhas evitam-na
Salvo quando constipadas.

terça-feira, 10 de maio de 2022

Europa

 

Zeus viu Europa brincar com as companheiras na praia. Apaixonado pela sua beleza, transformou-se num touro de resplandecente brancura e cornos semelhantes a duas luas em quarto crescente. Aproximou-se da jovem e foi deitar-se a seus pés. Ela assustou-se, mas logo acariciou o animal, sentando-se no seu dorso. Logo o touro se levanta e corre em direcção ao mar. Assim chegam ambos a Creta, e Zeus consuma o seu amor pela jovem à sombra duns plátanos.

Nasce daí este privilégio de ser europeu.

segunda-feira, 25 de abril de 2022

Abril

 

Ainda e sempre|

sábado, 23 de abril de 2022

Cantigas

Mil vozes chilreiam à Primavera. Mas cai a noite e só o rouxinol se ouve.

terça-feira, 19 de abril de 2022

Melodramas

A primeira vez que ela me saltou da poltrona e se dissolveu no ecrã, à vista de toda a plateia, foi quando uma das crianças da família trape, acostumada a vê-la na primeira fila, veio tomá-la do braço para lhe ouvir, à noite, o embalo da voz, antes de adormecer.

A nossa vida já não corria há uns tempos. E não minto se disser que tudo se deveu à incorrigível mania que ela tinha de adiar tudo para depois do casamento. Quando passeávamos no parque, era sabido que só aceitava sentar-se comigo nos bancos onde passava toda a gente. Experimentei várias vezes levá-la à margem do rio, quando à tarde o sol convidava a um repouso debaixo dos salgueiros. Cheguei a estender na relva a manta que trago sempre na mala do fiat, enviesado modo de lhe tornar a sesta mais convidativa. Mas ela escapulia-se, entre risos, e punha-se a refrescar os pezinhos na água, a ver se apanhava à mão as bogas que passavam, a abrir a boca entre os juncos.

E assim me foi arrefecendo a paixão. De modo que fiquei muito tempo em cuidados, sem saber bem como livrar-me dela.

Um dia descobri-lhe uma insopitável tendência para o melodrama, e decidi levá-la à matiné, para ver em que paravam as modas. Mal sabia eu as peripécias que haviam de vir. É que estava ali no ecrã tudo quanto a fazia feliz. Um fidalgo distante e sedutor, a manada dos filhos a precisar de mãe, e uma fada que se perdera a caminho de casa e se abrigara no jardim. Com aquela música dos anjos, o céu, a havê-lo, era por certo assim.

Nunca a vi tão feliz, decerto foi por isso que não mais deixou de ir à matiné das três, até vir a criança tomá-la do braço, como já ficou dito. E, quando a família trape saiu de cena, já ela não podia dispensar-lhe o convívio e continuou a dissolver-se no ecrã. Um dia a história dirá que foi ela a salvação da menina escarlate, na solidão da geórgia, quando o vendaval do destino lhe desabou em cima e o dandy dos bigodes desertou, batendo com o portão. Noutra ocasião, hibernava um poeta russo na tundra siberiana, de alma retalhada e incapaz dum verso, foi ela que se meteu, intrépida, aos frios dos urais, inçados de guardas vermelhos, para guiar o pobre a uma cidadezinha onde haveria salvamento. E, numa tarde de tombstone city, ela mais uma vez não hesitou em pôr-se do lado dos bons, e segredou à orelha do xerife o nome do homem que matou o liberty valance.

Num domingo dei por ela a passar para a matiné, sem imaginar que a via pela última vez. Nessa arde foi juntar-se a um grupo de anarquistas espanholas, que defendia heroicamente uma portela qualquer da sierra de guadarrama, para salvar madrid dos tércios mouros do franco. Não sei onde é que ela aprendeu a manejar os fuzis de repetição, creio que não havia limites para aquele coração febril. Mas a correlação de forças era desesperada, e os alfanges berberes acabaram a cevar-se no sangue nobre das guerrilheiras libertárias.

Ela nunca mais voltou. E, durante uma semana, até eu me reconciliei com a escumalha dos fascistas.

terça-feira, 12 de abril de 2022

Metafísicas

O jagudi de pescoço pelado, indígena dos pântanos, poisou no galho escasso do embondeiro. O soldado de infantaria vinha cansado no coice do pelotão, deitou a bazuca no capim e estendeu-se à sombra do jagudi.

O pássaro ficou a chupar a última perna dum caranguejo do lodo, e o atirador abriu uma lata de sardinhas de conserva, que tirou do bornal.

- Mais me valia um pássaro na mão! - disse o soldado de infantaria.

- Antes te acudiram dois a voar! - disse o jagudi dos pântanos.

E assim ficaram. Mas quando o soldado atirador deu um piparote na lata vazia, um raio de sol fez ricochete no fundo da lata e regressou ao infinito.

Atentos ao sinal estavam dois bombardeiros de focinho comprido, que patrulhavam as nuvens e tinham ordens para abater tudo quanto mexesse. Vieram como duas setas, de nariz esticado e sorrateiro, rasgaram o ar por cima do embondeiro e largaram as duas bombas de napalm.

Iguaizinhos na vida, o jagudi e o soldado de infantaria mantiveram-se idênticos na morte. Só divergiam na metafísica.